11 de dezembro de 2015

Então eu lavei o rosto e, com a água, veio a solução. O medo existirá sempre. Tenho que me moldar, me adaptar, me acostumar. E ir andando. O mundo nunca vai me ceder o lugar. Ele roda e roda que nem disco na vitrola. Mas é preciso aprender a ouvir a música que está rodando com ele…mesmo que esteja um silêncio total. Não pode pedir licença. Seja mal educado pelo menos uma vez. Apenas vá. Vá e não pense.

3 de novembro de 2015

NESSE MOMENTO HÁ 6 BILHÕES, 470 MILHÕES, 818 MIL, 671 PESSOAS NO MUNDO. ALGUMAS ESTÃO FUGINDO ASSUSTADAS. ALGUMAS ESTÃO VOLTANDO PRA CASA. ALGUMAS DIZEM MENTIRAS PARA SUPORTAR O DIA. OUTRAS ESTÃO SOMENTE AGORA ENFRENTANDO A VERDADE. ALGUNS SÃO MAUS INDO CONTRA O BEM E ALGUNS SÃO BONS LUTANDO CONTRA O MAL. SEIS BILHÕES DE PESSOAS NO MUNDO, SEIS BILHÕES DE ALMAS… E, ÀS VEZES, TUDO QUE NÓS PRECISAMOS É DE APENAS UMA!

(Las Palmas Gran Canaria 2015)

27 de outubro de 2015

Vou-te dar uma opinião pessoal: não faças tudo por alguém. Ninguém merece o teu tudo. Guardo o meu tudo para quem queira me dar o seu tudo também e para isso, precisamos de tempo, conquistas, vitórias, momentos felizes e o mais importante: confiança.

(Dunas de Maspalomas, Las Palmas de Gran Canaria 2015)

21 de outubro de 2015

Tenho uma teoria: aquilo que a gente pensa e não diz fica guardado em algum lugar lá dentro da cabeça. Concluo, com uma certa tristezinha, que tudo vira lixo e ocupa espaço, além de preencher lugares que poderiam ser destinados a coisas novas, maiores, melhores e mais renovadoras.

(Las Palmas Gran Canaria 2015)

28 de setembro de 2015

Dar é dar. Fazer amor é lindo, é sublime, é encantador, é esplêndido, mas dar é bom pra cacete. Dar é aquela coisa que alguém te puxa os cabelos da nuca, te chama de nomes que eu não escreveria, não te vira com delicadeza, não sente vergonha de ritmos animais. Dar é bom. Melhor do que dar, só dar por dar. Dar sem querer casar, sem querer apresentar pra mãe, sem querer dar o primeiro abraço no Ano Novo. Dar porque o cara te esquenta a coluna vertebral, te amolece o gingado, te molha o instinto. Dar porque a vida de uma publicitária em começo de carreira é estressante, e dar relaxa. Dar porque se você não der para ele hoje, vai dar amanhã, ou depois de amanhã. Dar sem esperar ouvir promessas, sem esperar ouvir carinhos, sem esperar ouvir futuro. Dar é bom, na hora. Durante um mês. Para as mais desavisadas, talvez anos. Mas dar é dar demais e ficar vazia. Dar é não ganhar. É não ganhar um eu te amo baixinho perdido no meio do escuro. É não ganhar uma mão no ombro quando o caos da cidade parece querer te abduzir. É não ter alguém pra querer casar, para apresentar pra mãe, pra dar o primeiro abraço de Ano Novo e pra falar: “Que cê acha amor?”. Dar é inevitável, dê mesmo, dê sempre, dê muito. Mas dê mais ainda, muito mais do que qualquer coisa, uma chance ao amor, esse sim é o maior tesão. Esse sim relaxa, cura o mau humor, ameniza todas as crises e faz você flutuar.